segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Meia Maratona de Braga 2017 - Rescaldo

Ultimamente tenho tido a vida muito ocupada, retirando-me tempo, cabeça e por vezes vontade até de vir escrever. Não gosto que assim seja, mas não tem sido fácil. Mas pronto, feito o desabafo venha-se o rescaldo.
Passaram pouco mais de 2 meses desde a minha última prova, a Meia Maratona de Vigo onde melhorei a minha marca pessoal aos 21 kms, encerrando assim em beleza o ano mais preenchido a nível de corridas que já tive. Desde então, foi tempo de ir mantendo a forma, e começar 2017 já a pensar na Maratona de Madrid em Abril. E dentro desse plano, estava a Meia Maratona de Braga, prova que já havia feito em 2016. Semanas antes tinha o objetivo de atacar nesta prova os 90 min à distância. Será que consegui?


Fui para esta prova com vinte e tal treinos realizados em 2017, a pensar na Maratona de Madrid. Por varias razões, não consegui treinar mais do que 4 vezes por semana, pelo que o progresso embora melhor que na preparação para a Maratona do Porto, não estava a ser o desejado. Passei uma fase muito complicado, com grandes exigências a nível pessoal e profissional, que me proporcionaram mais de um mês sem descanso suficiente, sem poder dormir as horas que necessitava etc. Tudo isto levou a que meu corpo se ressentisse, o que me fez passar algumas semanas adoentados, até que decidi parar 4 dias com qualquer tipo de treino, a ver se consegui recuperar. Isto ajudou, mas obviamente tirou-me forma, e com isso lá se foi o meu objetivo de atacar nesta prova os 90 min.

Dia da prova
Estavam condições ideiais para pessoas que como eu, sofrem de bronquite asmática, chuva! Com a chuva o ar fica limpo, e como tal conseguirmos respirar melhor, pelo que logo por ai fiquei com algum ânimo. Depois o aquecimento deu-me boas sensações, melhores do que as que tinha tido nos treinos anteriores, pelo que decidi iniciar a prova numa de deixa ver no que dá, mesmo sabendo que não estava certamente nas melhores condições para conseguir meu grande objetivo à distância. Meu plano tentar passar primeira metade da prova num ritmo entre os 04:20 e 04:25, para depois atacar, caso houvesse pernas.
Conhecia bem o percurso, e sabia que a segunda metade era mais rápida que a primeira. Além disso retiraram do percurso uma parte que subia muita para o que é normal numa prova de estrada, o que automaticamente tornou esta prova mais rápida.


Pois bem, começou a prova e lá fui eu. Não consegui começar no ritmo pretendido, sobretudo por receio. Receio de quebrar na parte final, pelo que fui-me aguentando naquele ritmo. A primeira metade da prova, embora plano, tinha sempre alguma inclinação, pelo que mal demos meia volta, foi tempo de atacar. Colei-me a outro atleta claramente mais confortável que eu, e lá fomos. Para surpresa minha senti-me super bem, até ao km 15 onde comecei a quebrar. A partir dai passou a ser faca nos dentes, sempre em sofrimento, provando que minha preparação não estava à altura do ritmo que estava a tentar imprimir. Numa zona de reforço a minha "boleia" deu-me 2 metros de avanço, mas com muito esforço, consegui não o deixar escapar, o que ajudou ao tempo final. Mesmo com grande esforço, consegui aproveitar esta boleia e a inclinação favorável, para me manter abaixo dos 04:15 até ao km 18, onde o percurso deu nova meia volta, desta vez até à meta. Os 3 kms finais foram de novo com alguma inclinação positiva e vento de frente, o que dificultou mais as coisas. Mesmo assim, dei o que tinha e não tinha, passei minha boleia, e foi sempre no limite até à meta. Terminei a prova com o tempo final de 01:31:45.

Voltei a melhorar meu record pessoal, pelo que devia ficar satisfeito com isso, mas confesso, terminei a proa com um xxxxx-se... por frustração. Embora tenha dado tudo o que tinha e não tinha, senti que podia ter feito melhor na primeira metade. Seja como for, após dois meses sem competir, foi uma boa maneira de começar a época, e sobretudo tenho que continuar grato por correr sem problemas de maior.

Venha-se os próximos capítulos de 2017.
Leia Mais ››

sábado, 10 de dezembro de 2016

Rescaldo - Meia Maratona de Vigo 2016

Posso dizer com alguma satisfação que 2016 acabou sendo o melhor ano que tive até agora, no que toca a corridas. Fiz mais corridas que nunca, e consegui o meu grande objetivo. Participar e concluir uma Maratona. As semanas que se seguiram à Maratona não foram fáceis, mas após quatro semanas as coisas começaram a normalizar. A época 2016 acabou com uma boa surpresa, pois melhorei meu record pessoal na Meia Maratona, quando nada o fazia prever.


Fresco de participar na Meia Maratona de Famalicão, e correndo o risco de parecer cliché, mas fui para Vigo sem qualquer expetativas no que toca a tempos, pensando apenas em rolar a bom ritmo, mas sem entrar em loucuras. Desde a Maratona do Porto que diminui os treinos (e muito), e tenho-me dedicado a outros prazeres da vida, como sair à noite e comer coisas que não se deve comer.
A noite anterior à prova não foi exceção, com um jantar de Natal. Não me neguei a absolutamente nada, comi muito mais do que devia, e sobretudo diverti-me. A vida não é só correr!

Dia da prova
Acordei por volta das 06:30 com cerca de 2h30 de sono. Consegui chegar a Vigo com tempo suficiente para pegar meu dorsal e arranjar local para estacionar o carro. Gosto muito de Vigo! É uma cidade diferente do que se costuma ver em Portugal. Faz-me lembrar algumas cidades americanas. Muitas ruas, sobe e desce, e prédios e mais prédios. O cenário prometia.
Fui fazer ao meu aquecimento, e pelos atletas que ia cruzando, parecia que não ia ter muitos participantes, coisa que até nem se verificou. Esta prova tinha a nuance de podermos participar na mesma por equipas, ou seja, podia-se fazer equipas de 2 ou 4 elementos. Achei esta variante muito engraçada.

Vamos ver no que dá
Como disse fui para esta prova sem intenções de olhar para o relógio. Acontece que o aquecimento correu bem. Estava um dia lindo.. perfeito para correr e aqueles minutos antes da partida, associados às boas sensações que tive no aquecimento, fizeram-me mudar o objetivo para a prova.
Sendo uma prova que não é boa para tempos, devido à natureza do percurso com subidas e descidas, comecei a prova bem, mas sem entrar em loucuras, e assim foi até ao km 12, com os parciais a variar consoante o percurso subia ou descia.

Porcaria dos cordões
Uma regra de ouro nas corridas, é garantir que os cordões estão devidamente apertados, coisa que não fiz. E como castigo, fui forçado a parar por volta do km 12. Posso dizer que fiquei muito chateado com F grande com minha burrice, e a partir dai a minha prova mudou bastante. De imediato acelerei o passo na tentativa de recolar no atleta espanhol com quem ia a correr lado a lado. Acontece que não me fiquei por ai e continuei a puxar, dando tudo o que tinha. A dada altura veio a ilusão de poder não só bater meu record pessoal, como ficar perto da 01h30, ou até superar. Como era um percurso com duas voltas, ao fim da primeira volta, fiquei a saber onde subia e onde descia, e como os kms finais eram a descer, ataquei forte. Dei mesmo tudo o que tinha e não tinha. Perto do fim, ficou evidente que não ia conseguir baixar da 01h30, pelo que esmoreci um pouco, mas mesmo assim, fiz os 3 kms finais abaixo das 04:00. Foi uma parte final muito intensa, com as pulsações super altas, e o corpo a querer abrandar. Foi uma luta com a cabeça, mas digo, soube bem atacar e dar tudo o que tinha e não tinha.
O tempo final foi de 01:32:22, uma melhoria de 32s face ao meu anterior record, obtido no inicio do ano, na Meia Maratona de Braga. Conseguir acabar abaixo das 01:30:00 é o meu próximo objetivo, na edição 2017 da Meia Maratona de Braga, prova mais propícia a bons tempos que esta.

Fim de época
Esta deverá ter sido a minha última prova da época. Não estou particularmente interessado em fazer S. Silvestre, o que não quer dizer que não o faça. O balanço do ano será feito brevemente, mas foi um ano positivo sem duvida.

Aquele abraço.
Leia Mais ››

sábado, 3 de dezembro de 2016

Rescaldo - Meia Maratona de Famalicão

Após uma das piores prestações que alguma vez tive, no que toca a corridas, no Trail Amigos da Montanha, fruto provavelmente da recuperação da Maratona do Porto ainda não estar concluída, fui para esta prova, com grande cepticismo. Não fazia ideia se ia passar pelo mesmo da prova anterior, e mesmo sendo uma prova sem objetivos de qualquer espécie, queremos sempre dar o nosso melhor.


Esta foi a minha segunda participação na Meia Maratona de Famalicão. A primeira foi em 2014 praticamente a seguir à minha estreia em Meias Maratonas, na Meia Maratona do Porto (desculpem lá repetir tantas vezes Meia Maratona, em pouco tempo). Como disse na introdução, vim de uma prova horrível e estou em off season, com dois treinos à semana, e a corrida/treino longo ao fim de semana. Fiz um treino de recuperação, e outro de séries. Não correram mal, mas mesmo assim fui para a prova com muitas cautelas.
Sendo uma prova que decorreu na cidade da minha equipa, fomos muitos, divididos entre a Meia Maratona e a caminhada, pelo que companhia não ia faltar. A estratégia para a prova, passou essencialmente por ir às apalpadelas, tentar manter um ritmo constante, e por volta do km 14 dependendo de como me sentia, acelerar um pouco ou não.

Embora com as pulsações um bocado altas, não me senti tão mal quanto esperava. Tentei controlar o ritmo, um pouco como tenho feito ultimamente, para não quebrar na parte final. Como conhecia o percurso, sabia que o grande desafio seria até ao km 13/14, onde o percurso dava meia volta para a cidade, sendo a partir dai essencialmente a descer ou plano. A verdade é que não veio a quebra, senti-me bem e ao km 13 puxei mais, aproveitando o facto de o resto do percurso ser essencialmente plano ou a descer. Já não corria abaixo dos 04:30 de forma continua há vários meses. Pensei que ia custar mais, mas até não correu mal.

O tempo final foi 01:38:04, a menos de 5min do meu record pessoal. Há dois anos atrás fiz um tempo na casa das 01:41. Engraçado que acabei a prova meio chateado por não ter puxado mais cedo, quando uma semana antes tive a prova que tive.. enfim.. tontices. Seja como for deu para viver momentos interessantes, com alguns colegas de equipa a fazer a sua estreia em Meias Maratonas.

Próximo desafio é já no fim de semana a seguir, com a Meia Maratona de Vigo. Mais uma prova nova para mim.

Boas corridas.

Leia Mais ››

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Rescaldo - Trail Amigos da Montanha 2016

Duas semanas após a prova mais importante da minha (pseudo) carreira de corredor amador, foi tempo de voltar à montanha, para participar no Trail Curto dos Amigos da Montanha, onde me esperavam 18kms. A ideia era só mesmo rolar para voltar aos poucos a recuperar forma após a Maratona do Porto, mas para surpresa minha acabou sendo uma prova simplesmente horrível para mim. Das piores prestações que alguma vez tive numa montanha.

Tudo o que tenho vivido nestas semanas tem sido uma aprendizagem. Todo o treino para a Maratona, a Maratona em si, e a recuperação a seguir. Cometi vários erros durante este processo, mas isso é algo inerente a uma experiência nova. Após a Maratona estive 6 dias sem correr, voltando a correr 30min apenas ao sétimo dia. Nesse aspeto cumpri o que é recomendado. No que toca a ginásio fiz apenas dois treinos na semana a seguir à prova. Na semana que antecedeu este trail, voltei ao meu regime normal de treinos de ginásio, com duas corridas durante a semana, um de recuperação e outro intervalado. 
Estas duas semanas foram diferentes num aspeto, a motivação! O corpo ia recuperando, mas o que notei de diferente foi a motivação. Senti-me muito motivado, nunca me passou pela cabeça não me meter noutra Maratona. Queria voltar aos treinos o quanto antes, para procurar manter alguma forma, de modo a começar a treinar em Janeiro para a Maratona de Madrid, a 23 de Abril. Fiz duas corridas de 8kms, pelo que não sabia como meu corpo ia reagir a uma prova de trail. Sentia-me cansado ainda, mas nada que fizesse prever o que aconteceu.

Não tendo nenhum objetivo que me obrigue a "viver" para esse mesmo objetivo, naturalmente relaxei um pouco. Dois dias antes deste trail, tive um aniversário e não me poupei a nada. Como já não estou habituado a essas coisas, passei o dia anterior a este trail assim para o mal disposto digamos, tanto que nem jantei na noite anterior.

A prova
Choveu muito antes da prova. Acordei algumas vezes durante a noite, e o tempo estava assustador. Muita chuva mesmo! Não estava mesmo com vontade de correr confesso, tanto que olhei para o telemóvel algumas vezes a ver se recebia uma mensagem da malta da minha equipa, a dizer que não iam fazer a prova, mas essa mensagem nunca veio, pelo que equipei-me a contar com muita chuva e lama. Cheguei a Barcelos a tempo e esperei pelo inicio da prova.
A ideia nesta prova era simplesmente rolar, sem me preocupar em fazer o melhor tempo possível, e assim foi desde o tiro de partida. Deixei-me ir com calma, contando que o meu corpo fizesse o que sempre faz! Sofrer mais  nos primeiros 30/40 min e depois habituar-se e a partir dai passar a ser mais fácil. Tal não aconteceu.


Acabou sendo uma prova em total sofrimento desde o início. Pulsações altíssimas o tempo todo, más sensações nas pernas e até a cabeça fraca. Não me senti com cabeça sequer para lutar contra o meu corpo, cedo desisti de lutar e passei a serviços mínimos, que por incrível que pareça acabaram sendo o melhor que conseguia fazer. Não conseguia subir nada a correr, mesmo em plano volta e meia fazia a pé. Foi um suplicio acabar a prova.

O tempo final diz tudo, 02:47:55 para 19.2 kms. Para terem noção, um colega de equipa que por norma tem mais ou menos o meu ritmo, fez a mesma prova em 02:10:00! Uma eternidade! Só posso concluir que esta prestação é resultado da Maratona! Provavelmente meu corpo ainda não recuperou e não devia ter participado neste evento! Nada fazia supor que isto iria acontecer, mas como disse mais acima, faz tudo parte da aprendizagem.
Confesso que esta prestação me deixou um pouco desanimado, mas já levantei a cabeça e siga com o que ai vem. Os altos e baixos fazem parte deste desporto, e agora só tenho que ter calma, continuar a treinar e deixar o tempo passar. O próximo grande objetivo está a quase 3 meses de distância, pelo que há tempo para recuperar.

A prova em si
Já fiz algumas provas organizadas pelos Amigos da Montanha! No que toca trails, creio que foi o meu segundo trail de sempre. O resto foi em provas de BTT. Não há provas fáceis organizadas pelos Amigos da Montanha, e curiosamente todas as que fiz correram-me mal. Fui sempre mal preparado, pelo as memórias desta prova não são as melhores. Mas falando da prova em si, foi sempre  perfeitamente imaculada. Tudo correu a 100%, mesmo com o tempo que estava. Trata-se de uma organização que tem a máquina muito bem oleada, e que sabe o que faz! A prova começou às 10:00 em ponto, os trilhos bem marcados, reforços qb. Nada a apontar mesmo.
Por outro lado, foi das provas de trail com mais lama que alguma vez fiz. Muita lama mesmo o que representou uma dificuldade acrescida.

O futuro é já no próximo fim de semana, com uma Meia Maratona. Espero ter uma prestação melhor que neste trail.

Boas corridas.
Leia Mais ››

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Plano de Treinos Maratona 04:00:00

Pouco mais de uma semana após concluir minha primeira Maratona, é tempo de partilhar com vocês que treinos fiz como preparação para esta prova. Este plano foi condicionado pelo meu receio de o joelho ceder com o acumular das semanas e sobretudo do volume de treinos. Tendo sido minha primeira Maratona, e não tendo eu qualquer acompanhamento de profissionais, é natural que o mesmo tenha espaço para (muita) melhoria. Lembro-me de durante a prova já estar a pensar em alterações que vou fazer ao plano, caso volte a meter-me noutra Maratona. Mas o processo é mesmo este, estamos sempre a aprender.

Primeira coisa que me salta à vista, e que vai ao encontro do que já disse, é o baixo volume de treinos por semana. Muito raramente passei dos 50kms por semana, quando o ideal é estar acima dos 70kms no mínimo. Outra coisa que vão notar que pouco tem, é os treinos intervalados. Optei por não os fazer também para proteger os joelhos. Depois na fase do tudo ou nada, ai sim passei a incluir treinos intervalados. Está visto que é um plano que permite pelo menos terminar uma Maratona, mas para quem pretende tempos abaixo dos 03:45:00 adiante, claramente não chega. 

Se a saúde o permitir espero fazer mais Maratonas. Estou curioso para ver como irei definir meu próximo plano, e que diferenças isso trará à minha prestação numa prova.

Seja como for aqui fica os cerca de 60 treinos de preparação para a minha primeira Maratona. 

Boas corridas.
Leia Mais ››